O que é SaaS?

//SaaS: O Que É, Benefícios, Como Usar e História

Por Fernando Okumura

15 de julho de 2018
7 min. de leitura

Saiba o que é Software como Serviço, suas vantagens e como usar.

O que acha de ouvir o post, em vez de lê-lo? Escute com o player abaixo:

SaaS significa Software As A Service. Inicialmente, a palavra era associada somente ao método de “entrega” e utilização do software. Hoje também se refere a um Modelo de Negócio.

O software On Premise é aquele instalado no HD do computador do usuário. Antigamente, o usuário comprava um CD (ou disquete se você é ainda mais “antigo”) em uma loja de informática, levava para casa e instalava em seu computador. Hoje em dia o mais comum é baixar da internet e instalar. O software On Premise geralmente é vendido através de uma licença perpétua; ou seja, é uma compra pontual, como uma mercadoria.

SaaS, por outro lado, é aquele acessado via internet através de um browser. Frequentemente também é chamado de aplicação web. O SaaS é vendido através de um licenciamento temporário (p. ex., mensal ou anual); ou seja, é uma compra recorrente, como uma mensalidade.

Assim, hoje em dia, o termo SaaS é utilizado também para descrever um modelo de negócio recorrente. Ao invés de “comprar”o software, o usuário o “aluga”. Ou seja, paga pelo direito de utilizá-lo durante um período de tempo. Similar a um aluguel, os contratos de uso geralmente são de 12 meses e o pagamento é mensal. Frequentemente, usuário pode optar por pagar os 12 meses antecipadamente em troca de um desconto (p. ex. 20%).

O valor das mensalidades pode ser fixo, variar de acordo com o uso do Software como Serviço (p. ex. número de usuários) ou ser uma mescla dessas modalidades. O usuário também tem a opção de escolher versões diferentes do SaaS com funcionalidades e recursos diversos.

Para saber mais, leia: O Modelo de Negócio de SaaS

Nota: A AgileMS é um ERP desenvolvido exclusivamente para empresas de SaaS. Esse post faz parte do Blog onde compartilhamos melhores práticas de gestão de SaaS.

Benefícios do SaaS 

SaaS oferece diversas vantagens em relação a “compra” de software incluindo:

  1. Não há necessidade de fazer um grande dispêndio de recursos na compra de um Software como Serviço. Ao invés pagar um valor alto para “comprar” o software, o usuário paga parcelas mensais menores que cabem no bolso.
  2. Não há necessidade de imobilizar capital ao comprar um Software como Serviço. O dispêndio é caracterizado contabilmente como despesa e portanto pode ser abatido do imposto de renda.
  3. O custo de se arrepender da compra é bem menor em Software como Serviço. Se você não gostar do produto, pode cancelar a assinatura. Em alguns casos, o custo é praticamente zero pois muitas empresas de SaaS oferecem testes gratuitos do sistema.
  4. Ao usar um Software como Serviço, você terá acesso imediato a melhorias no sistema e sem custo adicional. Como o software é hospedado remotamente e atualizado pelo próprio desenvolvedor, você não precisa esperar que seu time de TI atualize a versão do programa instalada em sua máquina.
  5. Em Software como Serviço, há um fit melhor entre o que você precisa e o que é ofertado. Há maior flexibilidade na customização do sistema (p. ex. conjunto de funcionalidades) e nos modelos de precificação.
  6. Software como Serviço oferece maior proteção de dados pois suas informações ficam armazenadas remotamente em instalações com níveis profissionais de segurança.
  7. Ao utilizar um Software como Serviço, você ganha conveniência no uso do software pois você pode acessá-lo de qualquer lugar e a qualquer hora. Baste dispor de uma conexão a internet.

Como usar SaaS?

Como vimos acima, utilizar SaaS é bastante conveniente se comparado ao antigo modelo de “compra”. Entretanto, ainda é preciso tomar alguns cuidados durante o processo de seleção e uso de Software como Serviço.

Listamos algumas perguntas que você pode usar para avaliar as soluções que você está considerando.

  1. O Software como Serviço resolve todos os meus problemas atuais ou terei que complementá-lo e integrá-lo com outra solução?
  2. O Software como Serviço resolve (ou resolverá) meus problemas futuros ou precisarei de uma nova solução em alguns anos?
  3. O Software como Serviço pode ser integrado com meus sistemas atuais ou será uma ferramenta isolada?
  4. O Software como Serviço é confiável? Qual é o SLA?
  5. O Software como Serviço é seguro? Qual é o nível de proteção de meus dados?
  6. A empresa de Software como Serviço é sólida? Qual é a chance dela deixar de existir nos próximos anos e eu ficar a ver navios? Existe uma previsão no contrato que me garante acesso ao código fonte caso ela deixe de operar?
  7. Qual é a privacidade dos meus dados? A empresa de Software como Serviço poderá utilizá-los de alguma forma, ainda que de forma agregada?
  8. Qual é o prazo de duração do contrato? Há multa caso eu precise cancelar antecipadamente?
  9. Qual é a complexidade de implementação desse Software como Serviço (p. ex. migração de dados, integrações, treinamento de pessoal, testes, etc.)? Como posso mitigar os riscos dessa implementação prejudicar minhas vendas ou a satisfação de meus clientes?
  10. O custo total desse Software como Serviço é compatível com o benefício dadas as alternativas que tenho (p. ex. outros fornecedores ou desenvolver a solução internamente)? Qual é o ROI?
  11. Quais são os custos escondidos ou adicionais (p. ex. consultores) desse Software como Serviço?

História do SaaS

A origem do termo remete a um documento de 2001, o “Software as a Service: Strategic Backgrounder”. Entretanto, o acesso remoto à aplicações e dados já existia nos anos 60. Nessa década, os computadores eram caros e usuários dividiam os custos com time sharing.

O sistema era composto de terminais thin client (apenas monitor + teclado) conectados a um computador central (mainframe) que hospedava o software e os dados. Ele era acessado via uma linha telefônica dedicada e um modem. O software era simples com interface de texto e a quantidade de dados transmitida era pequena.

Nos anos 70 e 80, o custo dos computadores começou a cair, mas muitas empresas seguiram usando esse sistema para acessar aplicações de CRM, folha de pagamento e contabilidade.

No no fim dos anos 80 e nos anos 90, o custo (e o tamanho) caiu tanto que cada funcionário podia ter um computador em sua mesa. Portanto, o time sharing perdeu atratividade e o modelo “thick” client (computadores pessoais com seus próprios sistemas operacionais, aplicativos e armazenamento de dados) ganhou força.

Nos anos 90, a internet se popularizou, mas, conforme o tamanho dos aplicativos e o volume de dados processados cresceu, a banda do modem tornou-se insuficiente e latência se tornou um problema. Simultaneamente, os HDs  eram pequenos e caros.

A partir dos anos 2000, o crescimento da banda larga propiciou o retorno do acesso remoto a software e dados, dando origem a indústria moderna de SaaS que conhecemos hoje. A medida que o custo de processamento e armazenagem caiu drasticamente, devido as economias de escala e de escopo dessa nova realidade. Os recursos tornaram-se acessíveis a pequenas empresas e a startups.

O futuro de SaaS

Em síntese, o aumento contínuo da banda de internet seguirá impulsionando o surgimento de novas soluções de acesso remoto. Com isso, o número de Software como Serviço disponíveis no mercado continuará crescendo exponencialmente. Isso trará desafios como a identificação, escolha e integração de múltiplos sistemas.

Para endereçar esse problema, acreditamos que, as soluções se tornarão verticalizadas e mais funcionalmente abrangentes. Elas irão fornecer um pacote mais efetivo aos clientes. Os fornecedores de SaaS também oferecerão educação sobre as melhores práticas do segmento, tornando-se uma mescla de consultoria e provedores de Software como Serviço.

Leia também:

Gostou do conteúdo?

Assine a Newsletter e receba mais dicas de como otimizar seu SaaS!

Por | 2019-10-09T14:27:17-03:00 15 de julho de 2018|

Deixar um Comentário